OPINIÃO

Isaac Roitman é doutor em Microbiologia, professor emérito da Universidade de Brasília, coordenador do Núcleo de Estudos do Futuro (n.Futuros/Ceam/UnB), membro titular de Academia Brasileira de Ciências. Ex-decano de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB, ex-diretor de Avaliação da Capes, ex-coordenador do Grupo de Trabalho de Educação, da SBPC, ex-subsecretário de Políticas para Crianças do GDF. Autor, em parceria com Mozart Neves Ramos, do livro A urgência da Educação.

Isaac Roitman

 

Vivemos tempos difíceis no Brasil, diria, dramáticos. A pandemia da covid-19 nos atingiu como um grande Tsunami. Milhares de vidas foram ceifadas. A fome e o desemprego atingiram as classes mais desamparadas e pobres. A violência, especialmente contra as mulheres, é uma cena repetitiva no nosso cotidiano. O racismo e a intolerância prosperam.


Atritos, alguns fabricados, abalam a harmonia dos pilares da democracia. O embate entre os Poderes aponta para uma desagregação no país. A educação e a saúde em frangalhos. A desinformação constante é um grande aliado da ignorância. O desenvolvimento da Ciência e Tecnologia no rumo do retrocesso. Caminhamos rapidamente para sermos um país periférico e colonizado. O desencanto dos jovens, ao pensarem no futuro no Brasil e no mundo, é um atestado de retrocesso da humanidade.


Para complicar mais ainda, essa ameaça das mudanças climáticas. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) alerta que os oceanos, fontes de vida na Terra, podem se tornar nossos piores inimigos em escala global se nada for feito para conter as emissões de gases do efeito estufa, com efeitos devastadores no aumento do nível do mar que obrigaria o deslocamento de 280 milhões de pessoas. E nesse cenário dantesco somos obrigados a testemunhar a destruição de nossas florestas. Que insanidade.


Segundo o escritor irlandês James Joyce, “a história é um pesadelo de que tento acordar”. É urgente o Brasil acordar e interromper esse pesadelo para não correr o risco e reprisar o mesmo filme nos próximos anos. A persistência da miséria e da desigualdade social é vergonhosa, e é um atestado de incompetência da sociedade brasileira e de seus muitos governos.
O país demanda grandes transformações. Entre elas, uma reforma política sem espaço para políticos picaretas, resgatando a credibilidade política. Temos que atrair para as atividades políticas cidadãos honestos e capazes que, através do debate civilizado, desenvolvam novas ideias e ações virtuosas pelo bem comum.


A democratização dos meios de comunicação é imperiosa. A comunicação rápida e o acesso à informação são instrumentos para aperfeiçoar a democracia e não o contrário. A internet de banda larga deverá ser gratuita para todos, como a televisão aberta e o rádio.


O Brasil é um país privilegiado em seu patrimônio natural, e sua utilização deve ser tema de um debate racional permanente que tenha como pano de fundo um desenvolvimento sustentável. Da mesma forma devemos promover, difundir e preservar o nosso patrimônio cultural que é rico e belo.


A educação pública de qualidade para todos e todas é um pré-requisito para termos um Brasil melhor. Lembremos aqui o pensamento de Anísio Teixeira: “Só existirá democracia no Brasil no dia em que se montar no país a máquina que prepara para as democracias. Essa máquina é a da escola pública”. Só teremos o Brasil de nossos sonhos se a educação básica ter como pilares, a ética, a solidariedade, a liberdade, a autonomia, o pensamento crítico, a competência e a responsabilidade social.

 

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

________________________________________________

Publicado originalmente no Monitor Mercantil em 11/08/21

ATENÇÃO – O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seu conteúdo.