OPINIÃO

Nagib Mohammed Abdalla Nassar é botânico, geneticista e professor emérito da Universidade de Brasília. Graduado pela Universidade do Cairo, mestre em Genética pela Universidade de Assiute e PhD em Genética (comajor em botânica) pela Universidade de Alexandria. Sua pesquisa concentra-se no melhoramento da mandioca.  É Fellow do Linnean Society-London (FLS). Recebeu em 2014 o prestigiado prêmio Kuwait International.

Nagib Nassar

 

Não é verdade que o presidente Lula é idiota, mas os ingleses o têm sido, com seu histórico longo de roubo da riqueza mundial, inclusive a venda da própria Palestina ao grupo sionista para receber o apoio deles na Primeira Guerra Mundial. O comprometimento da Coroa Inglesa com a colonização sionista estabeleceu as bases do conflito Israel/Palestina.
 

 No dia 2 de novembro de 2017, completou cem anos do momento que o secretário para Assuntos Estrangeiros do Império Britânico, Arthur Balfour, enviou uma importante carta ao Barão Rothschild, liderança sionista no Reino Unido, que deveria ser transmitida à Federação Sionista da Grã-Bretanha, marcando a história do Oriente Médio e do mundo. Na declaração de 1917, a Coroa Britânica comprometeu-se com a criação de um lar nacional para os judeus na Palestina. Isto é, como um ladrão que deu o que não possuía (a terra da Palestina) ao assaltante (sionistas) que a ela também não tinha direito.

 

A mensagem vinha após duas décadas de lobby das lideranças sionistas com as grandes potências imperialistas, como os russos, alemães, austro-húngaros, franceses e ingleses, em busca de um aliado ao seu empreendimento colonial na Palestina, que vinha encontrando limitações financeiras e sofrendo com as restrições impostas pelo Império Otomano à imigração e ao nacionalismo judeu em seus domínios. Desta forma, os sionistas uniram os seus interesses ao projeto imperialista para o Oriente Médio, que havia sido secretamente definido um ano antes, quando britânicos e franceses assinaram o Acordo de Sykes-Piccot, no qual fragmentavam a região de forma a mais bem dominá-la.

 

Esses eventos aconteciam nos últimos momentos da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), na qual França e Grã-Bretanha eram aliadas na batalha contra os impérios alemão, russo e otomano. No front, contra o Império Otomano, os britânicos demonstravam confiança na vitória principalmente por causa de um acordo firmado com importantes lideranças árabes.

 

Em março de 1916, após meses de correspondência, o Tenente-Coronel britânico Henry McMahon, responsável pela ocupação inglesa do Egito, havia conseguido o apoio de famílias árabes na guerra contra os otomanos em uma troca de cartas com o líder de Mecca, Hussein bin Ali. Em contrapartida, os britânicos prometeram independência aos árabes na forma de um grande Estado, que corresponderia ao que hoje é a Península Árabe, Iraque, Síria, Líbano, Jordânia e Palestina/Israel. Portanto, a Declaração Balfour, de 1917, possuía uma profunda contradição com a anterior Correspondência Hussein-McMahon, de 1916.

 

A história do comprometimento árabe com a guerra dos ingleses ficou famosa no filme ganhador do Oscar, Lawrence das Arábias, que narra a história do tenente inglês T.E. Lawrence na Revolta Árabe de 1917 contra os otomanos. A revolta foi fundamental para a vitória das tropas lideradas pelo general Allenby contra os otomanos e na conquista de Istambul, Jerusalém, Damasco e Mecca. Da mesma forma, a insurreição foi a semente do que viria a ser, décadas mais tarde, o movimento nacionalista árabe, caracterizado pelo anti-imperialismo.

 

No entanto, uma vez terminada a guerra, os britânicos não cumpriram a sua promessa com os árabes, enquanto mantiveram a sua com os sionistas. Em 1918, sob o auspício da recém-criada Liga das Nações, foi estabelecida uma série de mandatos no Oriente Médio sob a responsabilidade das potências imperiais em fronteiras semelhantes às previstas no acordo de Sykes-Piccot. O mandato era uma espécie de regime de tutela, imposto sobre aqueles povos que os líderes ocidentais não viam como capazes de decidirem sobre a sua própria vida.

 

Desta forma, enquanto que os árabes ficaram submetidos à tutela europeia e sem a independência prometida, o Mandato Britânico na Palestina passou a facilitar a imigração de judeus e a promover alterações políticas sociais sob os interesses da comunidade sionista. A contradição britânica trouxe os primeiros conflitos violentos entre sionistas e palestinos, estabelecendo as bases do impasse que prevalece até os dias de hoje.

 

O nosso presidente não disse nada além do que é constantemente dito pelos pensadores mundiais encabeçados pelo Prêmio Nobel (Pablo Neruda). "Não há holocausto, mas há uma ferida criada pelos próprios sionistas, e cada vez que o mundo esquece, e a ferida cicatriza, eles a fazem sangrar".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ATENÇÃO – O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor, expressa sua opinião sobre assuntos atuais e não representa a visão da Universidade de Brasília. As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seu conteúdo.