UnB EM AÇÃO

Em cinco meses, o Brasil atingiu a marca de 3,6 milhões de infectados

Boletim também atualiza informações sobre o retorno às aulas em novo formato. Imagem: Reprodução

 

O Brasil atingiu mais uma triste marca no cenário da pandemia de Sars-CoV2: 3,6 milhões de casos confirmados e, apesar dos mais de 2 milhões de pessoas recuperadas, ainda há um caminho para percorrer até que a expansão da covid-19 seja desacelerada. O luto e o pesar pelas mais de 115 mil mortes permanecem.

 

Nesta edição de número 15 do Boletim Coes, do Comitê Gestor do Plano de Contingência da Covid-19 (Coes) da UnB, há atualizações sobre o comportamento da covid-19 no Brasil e no mundo, além de informações de dados e ações da Universidade de Brasília na luta contra a doença.

 

 >> Confira aqui a edição na íntegra

 

RETOMADA DAS AULAS – O retorno, em modo remoto, das atividades acadêmicas na semana de 17 a 21 de agosto foi um sucesso, com engajamento de professores e alunos no uso, principalmente, da plataforma do Moodle Aprender 3 e das multiplataformas do Office 365. 

 

Com a novidade, muitos podem ter dúvidas. Pensando nisso, já está em vigor a rede de suporte, que conta com informativos na página web do Centro de Educação à Distância da Universidade de Brasília (Cead/UnB), banco de tutorias e atendimento especializado pelo e-mail (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

 

>> Leia mais: Saiba como tirar dúvidas sobre plataformas de ensino remoto da UnB

UnB retomou, em modo remoto, as atividades acadêmicas em 17 de agosto. Foto: Beto Monteiro/Secom UnB

  

Além disso, em atenção aos alunos socioeconomicamente vulneráveis, a Diretoria de Desenvolvimento Social (DDS/DAC) selecionou, por meio de edital, cerca de 3 mil alunos para receberem equipamentos (por empréstimo ou doação), chip (internet) ou auxílio financeiro para adquirir computadores e pacotes de acesso à internet.

 

O decano de Assuntos Comunitários e presidente do Coes, Ileno Izídio, reforçou a importância dos editais de inclusão da UnB, que permitiram que estudantes tivessem acesso a equipamentos e internet para acompanharem as aulas.

 

“Já estamos no terceiro edital (agora para empréstimo) e, em breve, lançaremos o edital de seleção 'Alunos Conectados' do MEC, que disponibilizará internet para 400 mil estudantes universitários no país. A UnB tornará o edital de inclusão numa política permanente até que todos nossos estudantes estejam devidamente conectados”, adiantou o decano.

 

MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS – Em continuidade às ações de manutenção da UnB para um futuro retorno às atividades presenciais (ainda sem data), a Coordenação de Administração Predial (CAP/PRC/Dirad) já está trabalhando na segunda etapa do projeto de recuperação, manutenção e adequação dos banheiros das unidades.

 

Até o momento, já foi realizado o atendimento de 13% da demanda, que engloba banheiros em 38 prédios. A equipe ainda está aguardando orçamento para realizar manutenção em banheiros da Reitoria e da Faculdade de Tecnologia: Bloco G, Bloco F, Ceftru, 13 Infralab e Uleg FT, e a autorização da DGM, Multiuso II, Infra, e FT (sete serviços na ENE, ENM, ENC e SG 12) para o início dos serviços. A partir da próxima semana, serão realizados os serviços no SG1 e SG2, referentes às unidades do Instituto de Artes (IDA).

 

PANDEMIA NO BRASIL – No país, uma breve estabilização das médias móveis de casos e de mortes começa a se configurar, contudo, em patamares altíssimos. O que exige forte atenção do poder público e da sociedade às recomendações da comunidade científica. Alguns estados – que, antes, apresentavam estabilidade ou queda – voltaram a exibir aumento nos registros. É o caso do Distrito Federal, cujos registros apontam em sentido contrário à insistência em políticas de abertura comercial. Em todo o país, a tendência de interiorização continua, mas com intensidades diferentes em cada região. 

Mapa mostra o comportamento da covid-19 em território brasileiro. Imagem: Reprodução

 

COVID-19 NO MUNDO – O registro de novos casos em alguns países preocupam e sinalizam que a retomada econômica pode ter vindo cedo demais. A Oceania, que por muito tempo conseguiu controlar a disseminação da doença e o impacto da pandemia em seu território, agora experimenta surtos da doença, mas mantém a baixa taxa de mortalidade.

 

Ásia segue com extremos entre países que conseguiram conter fortemente a doença e outros onde a pandemia registra aceleração única. China, Japão e Coréia do Sul estão com tendência de queda, já a Índia está indo no caminho contrário, podendo representar um risco de um novo surto de transmissão na região.

 

Na África, apesar dos esforços globais de cooperação com o continente, a doença continua se espalhando. Lá, países falantes de língua portuguesa como Moçambique e Angola estão engajados em conter a contaminação a partir da identificação e isolamento de casos suspeitos.

 

Eurásia apresenta estabilidade, sobretudo graças à Rússia, que apesar das altas taxas de incidência, demonstra números estáveis. Na Europa Ocidental, países como Espanha, Itália, Inglaterra e regiões da Bélgica voltam a preocupar o continente com a possibilidade de uma segunda onda severa da doença.

 

Nas Américas, Canadá segue exemplar no combate à doença. Nos Estados Unidos, entretanto, a pandemia segue o sentido norte-sul; na região próxima ao México, a doença continua se expandindo. No país latino, inclusive, há um processo similar ao Brasil, com interiorização dos casos. Na América do Sul, Colômbia, Bolívia e Peru continuam a acumular muitos casos novos, e a doença parece acelerar na Argentina.

 

Leia também:

>> Comunidade acadêmica deve ativar e-mails institucionais para melhor andamento das atividades

>> Com retomada do semestre letivo, DEG orienta comunidade

>> Disciplinas colocam estudantes da UnB em contato com pesquisas sobre covid-19 

>> Estudante, tire aqui suas dúvidas sobre acesso ao SIGAA e ao Office 365

>> Engajamento em app de saúde pode conceder quatro créditos a estudantes da graduação

>> Pesquisa avalia impactos econômico e social da pandemia no setor de alimentação

>> Webinário apresenta à sociedade projetos de combate à covid-19

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia da covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> UnB executa projeto piloto para implantação de app da OMS no acompanhamento de saúde na pandemia

>> Pesquisa do HUB avalia saúde mental de residentes durante a pandemia

>> UnB cria fundo para doações de combate à covid-19 

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Palavras-chave