EXCELÊNCIA

Avaliação do Times Higher Education leva em consideração critérios como ensino, pesquisa, citações e inserção internacional

Entre as federais brasileiras, UnB ocupa a sétima posição no ranking da THE. Foto: Beto Monteiro/Secom UnB

 

A Universidade de Brasília mantém sua relevância nos rankings internacionais. De acordo com a avaliação Times Higher Education (THE), divulgada no último dia 13, a instituição está na 16ª colocação entre 177 instituições de 13 países da América Latina. A UnB aparece em sétimo entre as universidades federais brasileiras e na décima posição entre todas as universidades públicas do país.

 

O THE avalia as instituições em cinco eixos: Ensino, Pesquisa, Citações, Inserção Internacional e Renda com a Indústria. A maior pontuação da UnB foi 84.7, no eixo Ensino, que leva em consideração pesquisa de reputação realizada anualmente pelo THE, proporção de docentes por alunos, proporção de alunos de doutorado por alunos de graduação, proporção entre o número de títulos de doutorado concedidos e o número de docentes, além do orçamento da instituição.

 

“Nos últimos cinco anos, a UnB avançou muito em seus indicadores acadêmicos, com destaque para citações, renda com a indústria e ensino", explica a reitora Márcia Abrahão. "Os dados de 2021, com queda em relação a 2020, mostram a importância de continuarmos investindo na melhoria acadêmica e como as demais universidades também estão procurando avançar, a despeito das constantes reduções orçamentárias."

 

>> Orçamento: como a pesquisa na UnB é afetada

 

A pontuação geral da UnB foi de 74.1, muito acima da média da região, que foi de 23 pontos neste ano. No entanto, na classificação geral, passamos da 14ª posição para a 16ª. Entre as universidades públicas brasileiras, a UnB figurou na nona classificação em 2020.

 

“Em um contexto de cortes orçamentários, é um esforço ainda maior conseguirmos nos manter em crescimento nos rankings internacionais. Mas sabemos que, com trabalho coletivo e esforço de todas as partes envolvidas, figuraremos melhor a cada ano”, afirma a decana de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional, Denise Imbroisi.

 

>> Orçamento: como a assistência estudantil na UnB é afetada

 

COMPARAÇÃO – Em relação às 166 universidades avaliadas no ano passado, o ranking de 2021 apresenta um aumento de 6%, com 177 instituições. O Brasil é o país com o maior número de universidades ranqueadas, 67. No ano passado, apenas 61 instituições brasileiras constavam na lista.

 

O THE é um ranking de alto prestígio internacional, elaborado por uma consultoria britânica de mesmo nome, que anualmente elabora um conjunto de listas de avaliação de instituições de ensino superior.

 

Para a reitora Márcia Abrahão, rankings como o THE "não conseguem captar toda a qualidade do que é feito na UnB, mas servem como meio de comparação com cursos e universidades do mesmo porte e com dificuldades semelhantes às enfrentadas aqui”.

 

A Universidade tem empreendido esforços em busca de melhores indicadores acadêmicos, para destacar a UnB tanto em rankings estrangeiros e nacionais como também diretamente nas avaliações do Ministério da Educação. “Em maio deste ano, a reitora solicitou a todos os diretores de unidades acadêmicas a elaboração de planos de melhorias dos indicadores acadêmicos de curto, médio e longo prazo, para que possamos trabalhar de forma concreta”, exemplifica a decana Denise Imbroisi.

 

Leia também:

>> Como os rankings medem a qualidade da educação?

>> UnB tem seis áreas do conhecimento entre melhores do mundo

>> Matemática da UnB entra no ranking QS

>> UnB avança em todos os indicadores de ranking internacional

>> UnB avança em ranking das melhores da América Latina

>> UnB avança em ranking das melhores universidades da "época de ouro"

>> UnB sobe duas posições em ranking internacional e é a quinta melhor federal

Palavras-chave