INFORMATIVO

Reflexos das políticas públicas já podem ser percebidos no número de casos no Distrito Federal

Em sua 12ª edição, boletim atualizou informações e panorama da covid-19 no Brasil e no mundo. Imagem: Reprodução

 

Enquanto muitos países experimentam uma segunda onda de contaminações oriundas de retomadas de atividades precoces, o Brasil ainda patina sobre uma estabilidade preocupante do número médio de óbitos. No Distrito Federal, onde as políticas públicas começam a se alinhar com as do Governo Federal, o número de casos e mortes tem feito uma escalada preocupante.

 

Nesta 12ª edição do Boletim Coes, produzido pelo Comitê Gestor do Plano de Contingência da Covid-19 (Coes) da UnB, foram abordados os fatores que influenciam diretamente ou indiretamente o aumento ou estabilidade dos gráficos. Foi destaque a fragilização das medidas contra a pandemia no país. A deficiência do poder público em abordar o combate à covid-19 de forma mais agressiva é apontada pela baixa testagem; comunicação ineficiente; ausência de políticas de estimativa da magnitude da doença; baixa capacidade de rastreamento de indivíduos contaminados, entre outros problemas.

 

>> Confira a íntegra da 12ª edição do Boletim Coes

 

Chamou atenção, também, a crescente desvalorização dos profissionais da chamada “linha de frente” do combate à pandemia. São médicos, enfermeiros, assistentes sociais, gestores, equipe de higiene, entre outros, que estão expostos e atuando em ritmo de exaustão neste quarto mês de pandemia no Brasil.

Gráfico relaciona os decretos do poder público e o comportamento da curva de expansão da doença. Imagem: Reprodução

 

O material traz ainda gráficos que relacionam os decretos do poder público e o comportamento da curva de expansão da doença, o que reforçou o descompasso entre o real fluxo da doença e as decisões de enfrentamento ao Sars-CoV2. O documento aponta para o alto risco de contaminação no DF, observando que não há perspectiva de melhora no cenário de médio prazo. Portanto, continua recomendado o uso de máscara, manutenção do distanciamento social e, por parte dos dispositivos governamentais, garantia de insumos, infraestrutura e áreas essenciais para o tratamento da covid-19.

 

Para o reitor em exercício e presidente do Coes Ileno Izídio, “a batalha de informações ou narrativas equivocadas está gerando confusão e não adesão às medidas essenciais de combate à covid-19, recomendadas pelos especialistas e pesquisadores. Neste momento de incertezas e explorações políticas equivocadas da saúde e do sofrimento das pessoas, somente a ciência e as pesquisas devem nortear as ações e estratégias. Caso contrário, continuaremos vivenciando esta tragédia de inúmeras mortes diárias".

UnB Solidária nos Hospitais forneceu 15 tablets para garantir a comunicação entre pacientes e familiares. Foto: Renata Monteiro 

 

O boletim trouxe também dados sobre os integrantes da comunidade acadêmica no exterior, com informações da Secretaria de Assuntos Internacionais (INT), que acompanha 134 docentes, técnicos e discentes espalhados em 22 países.

 

Além dos Estados Unidos, são notáveis os casos de óbito em México, Chile e África do Sul – ainda abaixo da média móvel de mortes registrada no Brasil.

 

A publicação deu destaque para o projeto UnB Solidária nos Hospitais, realizado em parceria com o Hospital Universitário de Brasília (HUB/UnB/Ebserh) e a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF), que forneceu 15 tablets para garantir a comunicação entre pacientes e familiares. Até agora, seis tablets foram encaminhados ao HUB, e oito, à Gerência de Serviço de Psicologia da SES-DF.

 

MANUTENÇÃO – A coordenação de Administração Predial (CAP/PRC/Dirad) informou que no último dia 22 de julho foi iniciada a segunda fase de manutenção de banheiros, que abrange agora aqueles que ainda não tinham sido alvo das intervenções. Além disso, banheiros dos prédios da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão de Políticas Públicas (FACE) e dos institutos de Ciência Política (IPOL) e de Relações Internacionais (IREL) foram devidamente vistoriados.

 

Leia também:

>> O ajuste de matrícula já começou

>> Durante a pandemia, grupo da UnB dá aulas de ginástica on-line para idosos

>> Estudante pode se inscrever para atuar como tutor de inclusão digital

>> Projeto Enfermeir@s Incríveis documenta relatos de profissionais de todo o país na luta contra a covid-19

>> Lilia Schwarcz e Leonardo Avritzer analisam relação entre democracia e combate à pandemia de covid-19

>> Cepe aprova resolução para retomada de atividades não presenciais

>> Servidores da UnB, em especial recém-ingressos, podem receber auxílio para realizar pesquisas

>> Edital vai destinar R$ 760 mil para projetos classificados em chamadas prospectivas

>> Universidade vai premiar trabalhos de pós-graduação produzidos na instituição

>> Docentes podem aproveitar lives do Cead para auxiliar no ensino remoto

>> Conheça o cronograma de ajuste na oferta de disciplinas

>> Pesquisa traça perfil socioeconômico inédito da comunidade universitária

>> Universidade aprova retomada do calendário acadêmico, de maneira remota, para 17 de agosto

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia da covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> Engajamento em app de saúde pode conceder quatro créditos a estudantes da graduação

>> UnB oferece assistência a pais da comunidade universitária durante isolamento social

>> UnB mantém, em modo remoto, atividades administrativas, pesquisas e iniciativas de extensão  

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Palavras-chave