VIGILÂNCIA ATIVA

Implementação é resultado de esforço coletivo de diferentes unidades da instituição no combate à pandemia

O aplicativo está disponível para dispositivos Android e IOS. Arte: Marcelo Jatobá/Secom UnB

 

Devido à pandemia de covid-19, vários setores da Universidade de Brasília têm trabalhado para orientar e promover ações de cuidado da saúde entre a comunidade acadêmica. Esses esforços também passam por acompanhar a situação de saúde de estudantes, docentes e técnicos e garantir a segurança de todos para o momento em que for possível retomar as atividades presenciais nos campi.

 

Por essa razão, os decanatos de Ensino de Graduação (DEG), de Assuntos Comunitários (DAC) e de Gestão de Pessoas (DGP), juntamente com a Coordenação de Assistência e Vigilância em Saúde da Diretoria de Atenção à Saúde da Comunidade Universitária (Coavs/Dasu) e a Sala de Situação em Saúde da UnB (SDS), estão articulados na implementação de estratégia de vigilância epidemiológica participativa da comunidade da instituição.

 

Trata-se da adoção de nova funcionalidade do aplicativo Guardiões da Saúde, ferramenta que permite ao usuário reportar diariamente suas condições de saúde. A atual versão do app foi desenvolvida pela Associação de Profissionais de Epidemiologia de Campo (ProEpi) e adaptada pela Sala de Situação em Saúde para uso no monitoramento da covid-19 na Universidade.

 

>> Faça download do aplicativo Guardiões da Saúde


A novidade está disponível a partir desta segunda-feira (19) e consiste numa expansão do Formulário de Vigilância Ativa, por onde, hoje, membros da comunidade acadêmica atualizam informações em caso de contágio pelo novo coronavírus. A funcionalidade do Guardiões da Saúde não só possibilita a notificação, por smartphone ou tablet, de sintomas em situações de infecção – o que torna o processo de reportar à instituição mais ágil –, como também integra outros serviços da Universidade nos cuidados e prevenção à covid-19.

 

"A adoção do aplicativo Guardiões da Saúde vem da necessidade da UnB de adotar mecanismos para fazer o monitoramento das situações de covid-19", afirma Maria do Socorro Gomes, decana de Gestão de Pessoas. "A ideia é que, com a implementação desse aplicativo, todos os nossos servidores técnico-administrativos, docentes e estudantes possam estar informando em um local de fácil acesso a sua condição de saúde, para que consigamos ter o mapeamento [de casos de covid-19] e uma forma ágil de abordar as situações de risco à saúde coletiva que ocorram na nossa comunidade.”

José Iturri, professor de Saúde Coletiva da Faculdade UnB Ceilândia (FCE), coordena a equipe de comunicação do projeto Guardiões da Saúde. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

 

O uso das potencialidades do aplicativo ocorrerá em articulação com as ações da Coavs. José Iturri, professor de Saúde Coletiva da Faculdade UnB Ceilândia (FCE) e coordenador da equipe de comunicação do projeto Guardiões da Saúde explica como funcionará a abordagem com a implementação da nova função.

 

“Quando uma pessoa [usuária do app] é identificada como sintomática [para covid-19], uma equipe de profissionais de enfermagem da Coavs entra em contato e faz com ela um tipo adicional de cuidado, orientação e aconselhamento. Tudo a distância”, detalha o diferencial da iniciativa.

 

O professor destaca que o serviço oferecido é de orientação e aconselhamento personalizado a pessoas com covid-19 da Universidade que reportaram sintomas no aplicativo, e que não se trata de uma consulta médica. Ele salienta ainda a importância da ação conjunta entre decanatos e outras unidades para o funcionamento do projeto de vigilância ativa.

 

AÇÃO UNIFICADA – Coordenador de Assistência e Vigilância em Saúde, Jonas Brant informa que a adoção da ferramenta é complementar às demais ações institucionais de acompanhamento do cenário epidemiológico. "Do ponto de vista da vigilância ativa enquanto método, nós mantemos a mesma estratégia de monitorar as pessoas que estão ativas na UnB e, em caso de suspeita de covid-19, desencadear as ações para investigar, entender e apoiar essa pessoa nesse momento tão difícil. Tudo isso funcionava por e-mail e passa agora a funcionar também por aplicativo, o que garante uma maior relação com esse membro da comunidade acadêmica", explica.

 

>> Saiba mais: Coordenação da UnB monitora condições de saúde de membros da comunidade acadêmica

 

A intenção é incentivar, neste momento, a prática da vigilância ativa na Universidade com a participação de todos para que, no futuro, com o retorno às atividades presenciais, seja possível detectar possíveis surtos de transmissão e respondê-los de forma rápida e direcionada. "A ideia dessa atuação em conjunto é garantir que nesse momento difícil da sociedade estejamos apoiando as pessoas da comunidade acadêmica e orientando-as para que elas saibam como proceder para poder se proteger e proteger sua família. Ao mesmo tempo, esperamos contribuir para romper com as cadeias de transmissão do vírus", completa o professor.

 

"É importante frisar que essa é uma iniciativa que congrega o esforço de toda a administração da Universidade, no sentido de organizar a comunidade para lidar com o contexto da pandemia", acrescenta a decana Maria do Socorro Gomes. Ela destaca a importância de se criar mecanismos que possam de fato proteger a comunidade acadêmica, já que ainda não há previsão de quando será possível retomar as atividades presenciais com segurança.

 

"Portanto, a organização desse monitoramento e a capacitação da comunidade universitária para agir nesse contexto serão muito importantes e decisivos, inclusive para garantir a preservação das vidas e a redução dos acometimentos por covid-19", aponta.

 

AMPLIAÇÃO DO PROJETO – A proposta do aplicativo foi concebida em 2007, pelo Ministério da Saúde, com objetivo de monitorar eventos de grande porte no Brasil, sendo utilizado durante a Copa do Mundo da FIFA de 2014 e nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio de Janeiro de 2016. O Guardiões da Saúde ganha nova versão em 2018, desenvolvida inteiramente pela ProEpi. Com a emergência da pandemia, a Associação e a UnB uniram esforços para realizar uma atualização com foco na covid-19.

 

Para aplicação à realidade da Universidade, foi criada, em 2020, a disciplina Vigilância Epidemiológica Comunitária e Participativa, de módulo livre, liderada pelos professores José Iturri, Jonas Brant e Ligia Cantarino – atualmente, diretora de Acompanhamento e Integração Acadêmica do DEG. O intuito era estimular a adesão de estudantes ao aplicativo. Os matriculados tinham a possibilidade de receber quatro créditos, desde que cumprissem os requisitos da atividade – entre eles, permanecer por 112 dias no app e fazer uso por 84 dias, informando seu estado de saúde.

Coordenador da Coavs, Jonas Brant aponta que é essencial o envolvimento da comunidade nas estratégias de combate à covid-19. Ele aposta na rápida identificação de casos como medida para antever cenários de crise e reduzir o impacto da pandemia. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB 

 

Agora, o uso da ferramenta tem atraído o interesse de outras instituições federais que desejam aplicar o modelo de vigilância ativa e há conversas para ampliar o monitoramento em todo o Distrito Federal. “Temos conversado com atores [da saúde pública] no Distrito Federal para pensar como a unidade federativa pode estruturar suas ações de rastreamento de contatos", relata o professor.

 

"A ciência, hoje, é bastante consensuada no sentido de que as ações de rastreamento de casos de contatos são importantes e de que o DF, em algum momento, terá que estruturar essas ações. Não é uma questão de se, mas de quando isso vai se tornar possível na escala do Distrito Federal – provavelmente quando o número de casos diminuir um pouco", afirma Jonas Brant.

 

O coordenador da Coavs reforça que a covid-19 é uma doença de comportamento peculiar e, portanto, é desafiadora para a saúde pública, o que aumenta a importância de todos estarem engajados para combatê-la. "Se conseguirmos ajudar na redução dessa sobrecarga na rede de saúde e identificar mais rápido cada um dos casos, vamos diminuir gradativamente o impacto dessa epidemia a ponto que, quem sabe, no futuro, possamos retomar as nossas atividades de maneira muito mais tranquila e afetuosa", projeta o professor.

 

SAIBA MAIS – Seja protagonista no combate à pandemia de covid-19, contribuindo para o monitoramento de casos por meio do aplicativo Guardiões da Saúde. A ferramenta pode ser baixada gratuitamente em dispositivos Android ou IOS. Ao utilizá-la, o usuário deve editar seu perfil, vinculando o cadastro à UnB. Automaticamente, é liberada a opção de vigilância ativa institucional. Em seguida, registre seu número de telefone, aceite os termos de uso e clique em participar. Depois, é só realizar as notificações de saúde no app.

 

Informações sobre a ferramenta estão disponíveis nos perfis do projeto no Instagram, Twitter e Facebook e também podem ser conferidas em linktr.ee/guardioesdasaude. É possível ativar lembretes sobre as atividades do Guardiões da Saúde no WhatsApp e no Telegram.

 

Leia também:

>> Sessão especial do Senado comemora os 61 anos de Brasília

>> Retomada segura é prioridade da UnB nestes 59 anos

>> Projeto da UnB e do MEC contribui para a gestão da educação básica nos municípios

>> Cepe começa discussão sobre mudança no regime de trabalho dos docentes

>> Jardins do ICC florescem para o aniversário da Universidade

>> Comitê permanente discutirá gestão de infraestrutura da Universidade de Brasília

>> Hospitais veterinários da UnB seguem funcionando

>> Abertura de jornada internacional destaca cooperação científica entre Brasil e França

>> Reitora faz roda de conversa com servidores do DGP

>> Pesquisadores da Universidade investigam variantes do novo coronavírus

>> Comitês da UnB fazem a diferença no combate à pandemia

>> Consuni aprova política de direitos humanos da UnB

>> Projeto da UnB que ensina português a refugiados e imigrantes em vulnerabilidade cresce na pandemia

>> Dasu realiza grupos focais na segunda etapa da pesquisa de saúde mental

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.