EXCLUSIVIDADE

O Instituto de Letras e a Faculdade de Direito participam da iniciativa, estabelecida por meio de convênio em 2019. Já foram traduzidos sete mil termos

UnB é parceira exclusiva no Brasil de instituição responsável pelo dicionário jurídico multilíngue. Imagem: Reprodução

 

"O inglês pode ser a língua comum do mundo, mas Common Law não é o direito comum do mundo". Essa é a frase de destaque no portal do Dicionário Mundial de Direito (World Law Dictionary), cujo projeto tem parcerias com universidades e instituições de excelência de ensino superior de diversos países.

 

No Brasil, a organização responsável pelo dicionário on-line jurídico multilíngue – Translegal – escolheu a Universidade de Brasília para auxiliar na tradução dos termos para o português. Por meio de convênio estabelecido em 2019, a tarefa teve início este ano e envolve a Faculdade de Direito (FD) e o Instituto de Letras (IL).

 

Já foram disponibilizados sete mil termos jurídicos no World Law Dictionary Brazil. Esses foram os primeiros, mas o trabalho será contínuo, em função do dinamismo da língua. O convênio tem expectativa de longo prazo, uma vez que a vigência até 2026 deve ser prorrogada.

 

"O propósito desse dicionário é permitir que advogados, pesquisadores, tradutores, ou qualquer interessado, possam ter acesso a informações e terminologias específicas do direito de diferentes países, para que possam trabalhar com mais segurança e exatidão quando estiverem lidando, por exemplo, com um cliente, contrato ou artigo de lei estrangeira", contextualiza a professora do curso de Letras-Tradução Inglês, Alessandra Harden.

 

Coordenador do Centro de Pesquisa em Direito Constitucional Comparado da UnB, o professor Juliano Zaiden afirma que o grupo, registrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), protagoniza a ação na FD. "Muitas terminologias da área do direito são bem específicas e a tradução não é tão facilmente encontrada em fontes típicas, como os dicionários comuns", alega.

Fundador e CEO do grupo com sede em Estocolmo, na Suécia, Michael Lindner apresentou a iniciativa aos alunos da UnB no Instituto Central de Ciências (ICC). Foto: Translegal

 

Segundo Zaiden, há uma demanda cada vez maior de produções acadêmicas em língua inglesa, especialmente na área jurídica. "A plataforma amplia a tradição histórica dos dicionários jurídicos para o ambiente virtual", avalia o docente sobre a importância da parceria.

 

"A proposta é sempre lançar novos verbetes. Agora está no nível básico, mas é um processo de construção, que vai ampliando e agregando mais dados. A área do direito constitucional comparado conta com muitos documentos de língua inglesa que precisam de tradução clara", assegura.

 

Para o coordenador do projeto, Bruno Vieira, a UnB foi escolhida por ter um dos cursos de Direito mais prestigiados do país e por contar com uma graduação em Letras-Tradução Inglês proeminente. "A Universidade de Brasília é parceira exclusiva da corporação no Brasil. Todo o trabalho desenvolvido é revisado por advogados-linguistas independentes", informa o representante da organização Translegal.

 

TRADUÇÃO MINUCIOSA – O trabalho é realizado por 40 estudantes dos cursos de Direito e de Letras-Tradução Inglês e contempla várias etapas. "No primeiro momento, os graduandos estão traduzindo todos os termos do banco de dados. Todos eles têm definições, frases de amostra, gravações sonoras e muitos contam com exercícios de linguagem, vídeos ou outros recursos", detalha Vieira, mestre em Direito e tradutor jurídico.

 

A segunda fase será identificar os termos ausentes, a partir da consulta aos principais dicionários da legislação local e outros meios. Uma terceira etapa irá criar os termos oriundos do sistema jurídico local. "A universidade parceira irá sugerir traduções em inglês para todos os termos ausentes identificados", menciona.

 

Na opinião de Juliano Zaiden, a pesquisa é cuidadosa, uma vez que muitas palavras precisam ser trabalhadas em diferentes aspectos. "Nem sempre a tradução é imediata, sendo necessário explicar melhor o verbete, pois têm questões culturais, de tradição jurídica que fazem a tradução ser imperfeita", pontua. 

Em passagem pela UnB, o fundador do Grupo, Michael Lindner, ao lado do professor Juliano Zaiden e de Bruno Vieira. Foto: Translegal

 

Estudante do último semestre do curso de Letras-Tradução Inglês, Roberta Monteiro é também graduada em Direito e viu no projeto a possibilidade de associar as duas formações para sua carreira profissional. "A experiência está sendo ótima, com certeza me torno uma tradutora e até mesmo uma jurista melhor", expressa.

 

Para Monteiro, é uma oportunidade de ter contato com a perspectiva do direito comparado, "porque compreende o nosso próprio ordenamento, mas um pouco de culturas distintas. A forma como outros países organizam seu ordenamento jurídico não deixa de dizer um pouco sobre esses países".

 

Com relação aos desafios do trabalho de tradução, a advogada cita a dificuldade de interpretar significados em outra língua para pessoas que têm uma vivência cultural diferente e a confiabilidade das fontes de pesquisa. "Por ser internacional, o projeto não se destina somente a falantes do inglês dos Estados Unidos; é global, então tem que expressar de forma geral. Além disso, a gente tem que verificar toda informação", sintetiza.

 

Na perspectiva da professora Alessandra Harden, como o dicionário é unidirecional (de línguas variadas para o inglês), "os alunos traduzem os textos feitos por pessoas da área do direito para o inglês e devem lidar com as diferenças culturais e discursivas que isso impõe. Pode ser uma experiência bastante desafiadora, mas também muito rica".

 

Harden ressalta que todo texto produzido passa por um consultor bilíngue, geralmente com formação em Direito, que faz a revisão e valida o verbete. "Há outras fases até que seja liberado e publicado. É interessante que os alunos também são autores dos verbetes que traduzem", salienta.

Livros lançados pelo grupo Translegal são obras de referência no ensino do inglês jurídico em todo o mundo. Imagem: Reprodução

 

CONTRAPARTIDA – Os alunos que já participaram receberam uma formação em terminologia jurídica comparativa, habilidades essenciais em uma futura carreira jurídica internacional. Eles também são certificados por terem participado como autores contribuintes do dicionário jurídico multilíngue e pelo conhecimento avançado de língua inglesa emitido pela Cambridge University.

 

Para Matheus Depieri, aluno do oitavo semestre de Direito, participar do projeto foi uma experiência única: "Pude desenvolver habilidades relacionadas ao inglês jurídico, ferramenta tão importante para a formação acadêmica na atualidade". Ele também aponta que o domínio de terminologias jurídicas em inglês é cada vez mais importante para a vida profissional e acadêmica.

 

"O conhecimento do idioma permite ter acesso a pesquisas internacionais sobre diferentes campos, como o do direito constitucional comparado. Nesse sentido, essa atividade contribuiu muito com a minha formação acadêmica, desenvolvendo competências e habilidades que geralmente não são adquiridas com tanta facilidade no fluxo normal da graduação", comenta.

 

Uma das maiores vantagens para a UnB é o acesso gratuito e em caráter vitalício ao material didático on-line disponibilizado pela Translegal, que conta inclusive com diversos cursos na área jurídica, para uso de todos os alunos e professores participantes. "A Universidade passa a ter assinatura de um serviço relativamente caro e também projeta a nossa instituição, o que é muito importante para fins de internacionalização", destaca Juliano Zaiden.

 

Quanto à relação público-privado, o docente acredita que este é um exemplo bem-sucedido, pois há ganhos institucionais, sem ônus para a Universidade, e também ganhos pessoais, com a certificação dos participantes e a possibilidade de intercâmbios acadêmicos. "É importante manter a simetria na parceria com instituições privadas", frisa o professor da FD.

 

Leia também:

>> UnB coordena projeto de expansão dos saltos ornamentais no Brasil

>> UnB recebe matrículas pelo SIGAA

>> UnB divulga guia de recomendações para prevenção e controle da covid-19

>> Podcast leva a antropologia para além da academia e moderniza aprendizagem

>> Pesquisa que usa inteligência artificial para frear agravamento da covid-19 em regiões brasileiras é premiada

>> Solidariedade a estudantes africanos da Universidade de Brasília

>> Casa Niemeyer leva prêmio por transpor exposição de arte presencial para formato digital

>> Edição especial da Revista Humanidades reflete sobre a pandemia

>> Mutação do novo coronavírus: qual é o real perigo?

>> Cepe aprova resolução com regras para o próximo semestre

>> Revista Darcy traz reflexão aprofundada sobre a pandemia

>> Universidade de Brasília divulga editais de abertura do Programa de Avaliação Seriada

>> Biblioteca Central disponibiliza serviço de digitalização de obras físicas do acervo

>> Iniciada segunda rodada da pesquisa social com a comunidade acadêmica acerca do semestre remoto

>> UnB manterá aulas em modo remoto no próximo semestre

>> UnB tem 25 pesquisadores entre os mais influentes do mundo

>> Artistas apoiam mobilização da Universidade de Brasília por recursos contra a covid-19

>> Em webinário, DPI lança portfólio e painéis com dados sobre infraestrutura de pesquisa e inovação da UnB

>> Webinário apresenta à sociedade projetos de combate à covid-19

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia de covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> UnB cria fundo para doações de combate à covid-19 

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.