GESTÃO

Em diálogo virtual, técnicos falaram de possibilidades e desafios para o setor. Segurança do prédio da Reitoria, capacitação e teletrabalho foram alguns dos temas abordados

Servidores também levaram à reitora demandas relacionadas à infraestrutura da unidade Imagem: Reprodução

 

A reitora Márcia Abrahão participou, nesta terça-feira (13), de diálogo com os servidores do Decanato de Gestão de Pessoas (DGP). Na reunião virtual, os técnicos falaram sobre suas dúvidas e demandas, entre elas, as adaptações ao Sistema Integrado de Gestão (SIG), as necessidades de capacitação e as condições de infraestrutura e segurança no prédio da Reitoria.

 

"Sabemos que o DGP é um decanato de certa forma 'espremido' entre, de um lado, as muitas portarias, leis e determinações de órgãos de controle e, de outro, as necessidades de uma instituição pública federal que tem autonomia de gestão", iniciou a reitora. Ela apresentou os novos integrantes da administração e os quatro eixos de atuação para os próximos anos de gestão: excelência acadêmica; gestão de qualidade; universidade mais humana; e democracia e autonomia.

 

A decana de Gestão de Pessoas, Maria do Socorro Gomes, lembrou que o setor tem inúmeros desafios, associados ao quantitativo de processos que passam pela área e as muitas normas que são constantemente atualizadas. "Temos um quadro de servidores extremamente dedicados e demandados para o desenvolvimento da instituição. Trabalhamos com coisas que exigem muita rapidez, como o provimento de vagas, e, ao mesmo tempo, cuidamos da cultura e da identidade do servidor na Universidade", disse.

 

A técnica Aline Kristina Barbosa reclamou da sobreposição de sistemas, uma vez que os servidores trabalham atualmente com o módulo de Recursos Humanos do SIG, o SIGRH, com o antigo Sistema de Pessoal (Sipes) e com o Siape, do governo federal. "Muitas informações ainda não foram migradas, como as de capacitação e progressão", observou. Ela também perguntou sobre a possibilidade de haver brigadistas no prédio da Reitoria e da melhoria da segurança no edifício.

 

A servidora Bruna Emily Feitosa também demonstrou preocupação com a infraestrutura disponível aos técnicos do Decanato de Gestão de Pessoas. "Como estamos em trabalho remoto há algum tempo, esquecemos um pouco os problemas de espaço físico. Mas sempre há questões, como, por exemplo, na nossa sala, onde existe um hack de fios de rede, que fazem muito barulho."

 

GUARITAS – A reitora aproveitou para comunicar que houve, nos últimos meses, a instalação de duas guaritas no prédio da Reitoria. O passo seguinte deve ser o treinamento dos colaboradores da segurança, para que façam um melhor controle do fluxo no local.

 

Márcia mencionou os avanços trazidos pelo SIG, que está presente em outras 40 universidades do país. "Recomendo que vocês conversem com os colegas das outras instituições para ver como eles lidaram com este momento de transição. Ainda vamos precisar alimentar mais de um sistema por alguns meses, mas espero ver isso terminado até o meio do ano que vem", disse.

 

Outro assunto da conversa foram os cursos de capacitação. "Sei que a Procap [Coordenadoria de Capacitação] oferece alguns, mas eles não atendem à nossa necessidade, infelizmente", comentou a técnica Joana Tassiana Santos. A reitora endossou o pedido junto ao próprio DGP, onde está a Procap, para que os cursos melhor traduzam as demandas da Universidade.

 

Raoni Maurício Duarte pediu a revisão do programa de teletrabalho, com base na nova instrução normativa do Ministério da Economia sobre o assunto. "Eu queria elogiar os editais de movimentação interna lançados, mas penso que eles precisam priorizar outros pontos, como, por exemplo, as habilidades dos servidores para funções necessárias nos setores de destino", sugeriu.

 

A reitora frisou que muitas das demandas apresentadas referem-se a políticas que podem ser propostas no âmbito do DGP. "Temos uma oportunidade riquíssima de fazer regulamentações necessárias à Universidade, por meio da Câmara de Gestão de Pessoas (CGP). E vocês podem fazer isso do jeito de vocês, discutindo internamente e trazendo as soluções."

 

Leia também:

>> Pesquisadores da Universidade investigam variantes do novo coronavírus

>> Comitês da UnB fazem a diferença no combate à pandemia

>> Consuni aprova política de direitos humanos da UnB

>> Cuidando da mente, do corpo e da espiritualidade

>> Projeto da UnB que ensina português a refugiados e imigrantes em vulnerabilidade cresce na pandemia

>> Promovidas pela primeira vez totalmente on-line, ações do Mês da Mulher se destacam

>> Relembre ações da UnB em pouco mais de um ano após a deflagração da pandemia de covid-19

>> Lia Zanotta recebe título de Professora Emérita

>> Dasu realiza grupos focais na segunda etapa da pesquisa de saúde mental

>> Reitoria fará parte do Fórum de Mulheres da UnB

>> Coordenação da UnB monitora condições de saúde de membros da comunidade acadêmica

>> UnB discute política integrada de assistência aos discentes

>> Atendimento humanizado a pacientes com covid-19 ganha destaque

>> Hospital Universitário de Brasília abre mais 30 leitos de enfermaria de covid-19

>> UnB divulga guia de recomendações para prevenção e controle da covid-19

>> Em webinário, DPI lança portfólio e painéis com dados sobre infraestrutura de pesquisa e inovação da UnB

>> Webinário apresenta à sociedade projetos de combate à covid-19

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia de covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> UnB cria fundo para doações de combate à covid-19

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.

Palavras-chave