EDUCAÇÃO BILÍNGUE

Proposta originada na UnB passa a ter abrangência nacional no assunto para a educação básica e para o ensino superior

A necessidade de implementação de um currículo especializado no ensino de português escrito para surdos já era discutida no curso de Língua de Sinais Brasileira - Português como Segunda Língua da UnB. Foto: Foto Free

 

No início de julho, o Ministério da Educação (MEC) lançou a Proposta de Currículo para o Ensino de Português Escrito como Segunda Língua para Estudantes Surdos. O currículo foi elaborado por professores e pesquisadores da Universidade de Brasília e de outras instituições de ensino superior, sob coordenação do Instituto de Letras (IL) da UnB.

 

O produto final do projeto consiste em uma minuta de proposta de referencial curricular para estudantes surdos, matriculados na educação bilíngue de surdos, na educação básica – contemplando educação infantil, ensino fundamental e ensino médio – e no ensino superior.

 

A professora Sandra Nascimento, coordenadora do trabalho, explica que a proposta demonstra o compromisso acadêmico e social dos pesquisadores envolvidos, que passaram sete meses da pandemia, entre março e setembro de 2020, reunindo-se virtualmente para a elaboração do documento.

 

O currículo foi montado por uma comissão de 26 pesquisadores, surdos e ouvintes, com experiência no ensino de português para surdos. Por meio desse grupo, participaram um total de 16 instituições, federais, estaduais e municipais (UnB, SEDF, UFG, UFMS, Ufac, Ufpa, Ufam, Ufba, UFU, UFMG, Ufla, Ines, Unicamp, PUC-SP, Ifsc e Ufsc).

Sandra considera a proposta como sendo uma grande contribuição para a educação brasileira, em especial para o ensino de estudantes surdos. Foto: Arquivo pessoal

 

Sandra Nascimento explica que a UnB é uma das universidades brasileiras com expressiva pesquisa acadêmica em torno dos estudos de Libras, dos estudos de aquisição linguística por surdos, do português escrito por surdos e da forma como o português é ensinado a eles. “Com a iniciativa e coordenação da proposta, a Universidade de Brasília deu mais um passo em defesa da educação bilíngue de surdos, de forma a oferecer, juntamente às demais instituições parceiras, uma contribuição efetiva à educação”, afirma a coordenadora.

 

Segundo o diretor do IL, professor Anderson da Mata, a iniciativa é mais um passo em direção à promoção de uma educação de qualidade para todos. “O reconhecimento da diversidade linguística dos cidadãos brasileiros fica materializado na Proposta Curricular para o Ensino de Português Escrito como Segunda Língua para Estudantes Surdos da Educação Básica e do Ensino Superior”, avalia.

 

NECESSIDADE – A implementação de um currículo especializado no ensino de português escrito para surdos é uma discussão há muito presente no curso de Língua de Sinais Brasileira - Português como Segunda Língua (LSB/PSL), ofertado pelo Instituto de Letras da UnB. “Fomos motivados pela unanimidade de vários pesquisadores e professores Brasil afora com relação à necessidade de se definir um currículo para atender mais adequadamente à educação bilíngue de surdos”, conta a coordenadora Sandra Nascimento.

 

Para a docente, a proposta é importante por ser elaborada de forma inclusiva. “Ela garante o acesso dos estudantes a algo que se baseia em um ensino planejado a partir de uma perspectiva visual, bilíngue, funcional, contextualizada, autêntica, intercultural, dialógica, multissemiótica, contrastiva, mediada pela Libras, respeitando o perfil e as especificidades de cada estudante”, enumera.

Anderson da Mata explica que a proposta faz parte de um processo de construção de uma política linguística nacional da qual o IL se coloca à disposição para continuar contribuindo. Foto: Divulgação/IL

 

O amadurecimento dessas ideias foi o que possibilitou que a equipe de professores do curso fosse contatada pelo MEC para o desenvolvimento conjunto da proposta. “O fato de o Instituto de Letras participar de forma ativa da iniciativa reforça a relevância acadêmica e social, indissociáveis do nosso ponto de vista, do trabalho que a UnB desenvolve na sociedade brasileira”, avalia o diretor Anderson da Mata.

 

Decana de administração da UnB, a professora Rozana Naves era diretora do IL quando as tratativas com o MEC começaram. Ela reafirma a importância da iniciativa. "É um projeto de grande relevância para a educação de surdos no DF e no Brasil, liderado pela UnB, que tem uma longa tradição nos estudos sobre o papel do português como segunda língua para a inclusão efetiva de surdos na educação básica e superior."

 

>> Relembre: UnB participa de iniciativa para curricularização da educação bilíngue de surdos
 

ESTRUTURA – No total, foram seis cadernos produzidos para o projeto: o Introdutório, que apresenta a teoria e metodologia da proposta; os Cadernos I e II, que trazem a proposta curricular para alunos de um ano e sete meses a cinco anos e do primeiro ao quinto ano, e do primeiro segmento da Educação de Jovens e Adultos (EJA), respectivamente; o Caderno III, para alunos do do sexto ao nono ano do ensino fundamental e do segundo segmento do EJA; o Caderno IV, para estudantes do ensino médio e do terceiro segmento do EJA e o Caderno V, destinado ao ensino superior.

 

Para Anderson da Mata, a publicação dos cadernos é motivo de orgulho “pois o envolvimento e liderança dos professores e pesquisadores da casa foram fundamentais para a construção do documento”. “É uma proposta de trabalho, pois abrange o ensino superior e surge como uma orientação para a própria equipe de ensino de português para surdos, e um documento relevante para as demais unidades da universidade que têm recebido de forma crescente estudantes surdos”.

 

Tendo sido publicada e gratuitamente divulgada pelo site do MEC, a proposta já está disponível para os estados e municípios que quiserem adotá-la. “Não sabemos quais serão os próximos passos a serem dados pelo Ministério da Educação. Como se trata de uma proposta, não é impositiva”, lembra a coordenadora Sandra Nascimento.

 

Para divulgação mais detalhada da proposta, estão agendadas quatro lives com os autores do currículo nos dias 21 e 28 de julho, 4, 11 e 18 de agosto. Os eventos são transmitidos pelo canal no YouTube do Curso Práticas para o Ensino de Português como Segunda Língua para Surdos, oferecido pela UnB em parceria com a Diretoria de Política de Educação Bilíngue de Surdos (Dipebs/MEC).

 

*estagiária de Jornalismo na Secom/UnB.

 

Leia também:

>> Pilar del Río inspira estudantes a assumirem papéis ativos na sociedade

>> Relatório de Gestão 2020 registra ações e resultados da UnB em ano histórico

>> UnB é 16ª melhor entre universidades da América Latina, aponta ranking

>> Em entrevista à UnBTV, ex-ministro Renato Janine Ribeiro diz que a ciência precisa conquistar a opinião pública

>> Limitação orçamentária imposta à UnB começa a impactar a assistência estudantil

>> Consuni aprova relatório de atividades do Ceam

>> Metodologia de ensino desenvolvida por professor da UnB recebe prêmio nacional

>> Reitora dialoga com Decanato de Assuntos Comunitários

>> Morre o ex-reitor João Cláudio Todorov

>> Cepe mantém atividades acadêmicas em modo remoto

>> Pesquisadores da UnB analisam atual situação da pandemia no Brasil

>> Conselho Comunitário pede manutenção de vagas e cursos noturnos

>> Audiência pública na Câmara discute PEC 32

>> Universidade tem seis áreas do conhecimento entre melhores do mundo

>> Nova funcionalidade do app Guardiões da Saúde facilita o monitoramento de casos de covid-19 na UnB

>> UnB divulga guia de recomendações para prevenção e controle da covid-19

>> Em webinário, DPI lança portfólio e painéis com dados sobre infraestrutura de pesquisa e inovação da UnB

>> Webinário apresenta à sociedade projetos de combate à covid-19

>> Copei divulga orientações para trabalho em laboratórios da UnB durante a pandemia de covid-19

>> Coes publica cartilha com orientações em caso de contágio pelo novo coronavírus

>> UnB cria fundo para doações de combate à covid-19 

 
ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.